Opinião do Mentor

A força e o valor dos corretores de seguros

​Por Alexandre Camillo*

 

Elemento fundamental na cadeia produtiva de seguros, o corretor de seguros desempenha papel preponderante no desenvolvimento do setor. Sem esses profissionais, o mercado jamais conseguiria atingir o salto de crescimento dos últimos anos, por mais que o ambiente e as condições fossem favoráveis. 

 

Em todos os eventos que o Clube dos Corretores de Seguros de São Paulo realizou ao longo de 2013, a força e o valor da categoria foram confirmados por diversos interlocutores do setor. Caso do superintendente da Susep, Luciano Portal Santanna, que em março esteve conosco para esclarecer pontos específicos dos normativos relacionados à atividade de corretagem, que seriam editados neste ano. Santanna demonstrou seu apreço pela categoria e também pela trajetória de 40 anos do CCS-SP. “Não poderia deixar de participar de reunião com uma entidade tão tradicional”, disse.
 
Caso também do presidente da Federação Nacional de Seguros Gerais (FenSeg), Paulo Marraccini, que apresentou o grande potencial de desenvolvimento do segmento de ramo elementares no país, durante almoço em maio. “O corretor é treinado e formado para cuidar da proteção do risco e tem um papel importante a desempenhar”, afirmou.
 
Gabriel Portella, presidente da SulAmérica, não apenas reconheceu o valor da categoria, durante sua participação em almoço do CCS-SP em julho, como reforçou a necessidade de união com todo o setor. “Quando corretores e seguradores estão desunidos começam os problemas no mercado. Os corretores precisam participar ativamente das mudanças do setor”, analisou.
 
A necessidade de união foi destacada também pelo presidente da Fenacor e deputado federal, Armando Vergílio Santos Junior. Em evento do Clube no mês de agosto, ele conclamou a categoria a lutar pela inclusão no Simples Nacional. Vale registrar que o texto do projeto aprovado na Comissão Especial da Câmara Federal, na qual Armando Vergílio é relator, representa um grande avanço e nossa esperança é que seja votado até março de 2014. Portanto, a luta continua.
 
Coube ao presidente da Tokio Marine, José Adalberto Ferrara, apresentar a prova definitiva do valor desses profissionais. No almoço de setembro, ele disse claramente que o crescimento da seguradora acima da média nos últimos foi obtido graças à parceria com os corretores. E ainda acrescentou: “Contamos com os corretores para identificar nichos de mercados e produtos adequados”.
 
Em outubro, Pablo Barahona, presidente da Liberty Seguros, trouxe à reflexão da categoria uma questão crucial relacionada à venda de seguros pela internet. Com base no exemplo dos agentes de viagem norte-americanos, que souberam se reposicionar como consultores, abandonando o tradicional papel de meros vendedores de pacotes, Barahona concluiu que a internet não é uma ameaça. De fato, não é, pois se continuarmos fiéis à prestação de serviços, manteremos a nossa profissão sempre. A máquina nunca fará a venda consultiva e explicativa de assuntos tão sérios como seguro e previdência
 
Outro tema igualmente importante foi apresentado pelo presidente da Porto Seguro, Fábio Luchetti, no almoço do Clube em novembro. Ele usou o exemplo do mercado de seguros inglês para indicar os eventuais riscos que os sites de comparação podem gerar ao mercado brasileiro, como guerra de preços e a perda da percepção do valor do corretor. Na visão de Luchetti, não podemos assistir isso de forma passiva. “Se hoje, 90% do mercado passa pelo corretor, então acho que vocês têm bastante força para discutir”, observou.
 
A partir da visão desses importantes interlocutores do mercado segurador, concluímos que os desafios pela frente são grandes, mas os corretores têm força suficiente para enfrentá-los. Para tanto, a união será essencial, não apenas entre a categoria como também entre as entidades do setor e as empresas. O respeito às diversidades e a união das diferenças será nossa salvaguarda aos desafios e oportunidades que se avizinham.
 
Boas festas a todos e feliz 2014!

 

* Alexandre Camillo tem mais de 30 anos de experiência no mercado de seguros e é mentor do Clube dos Corretores de Seguros de São Paulo (CCS-SP).

 

Opiniões anteriores:

Universo Seguro

Planos individuais de saúde em extinção e a falta de diálogo com a ANS